O aspecto motivacional como um fator estratégico em Gerenciamento de Processos de Negócio - Parte 1

As Organizações existem para atender clientes. Sim. Isto é fato.

Pensando nisto devemos construir organizações para o século XXI. Sim. Isto também é fato. Então é preciso urgente pensar em transformações estratégicas que sejam impactantes a tal ponto, para que além de conquistar os clientes, impacte também nas pessoas das organizações, que são as peças estruturais para que os processos de negócio fluam de forma excelente.

Para crescer num mercado competitivo, é preciso diferenciar-se em diversos aspectos e, principalmente na gestão de pessoas, pois elas são a cada dia, responsáveis pela evolução da organização. A organização sadia é reflexo de um corpo funcional sadio. A parceria entre a organização e seus funcionários produz resultados excelentes.

A sociedade contemporânea tem experimentado, em todos os seus segmentos, uma crescente democratização das relações sociais, em função do desenvolvimento vertiginoso das comunicações, com a disseminação da informação.

Essa democratização nas mais diversas instituições sociais pressiona do mesmo modo a organização econômica e a produção de bens e serviços. Uma nova concepção de mando/subordinação vai sendo instituída, adaptando as organizações às pressões de democratização.

Os jovens profissionais que hoje chegam às organizações dificilmente são atraídos somente por perspectivas de carreira. O desejo de se comunicar e de compartilhar a decisão organizacional com os dirigentes é imediato, pois já foi adquirido no seu próprio processo de socialização e democratização anterior à vida profissional.

Para acompanhar as transformações nas relações sociais e a velocidade das mudanças tecnológicas nesse século, a administração de recursos humanos também fez progressos consideráveis. Do início do século até, hoje surgiram várias teorias sobre o assunto, enfocando a racionalização do trabalho, aspectos comportamentais, motivacionais, de liderança, participação etc.

Atualmente, as mudanças ocorrem aceleradamente, o importante é pensar nas estratégias antes mesmo de ocorrer a situação onde elas possam ser aplicadas.

O mundo caminha muito rápido e, muitas vezes, não há tempo para se formarem essas estratégias. O mundo é desafiador e só terá recompensa se estivermos preparados.

Com a globalização, a competitividade entre as organizações é, de fato, real, e só as vencedoras terão a oportunidade de sobreviver no mercado.

Infelizmente, ainda existem organizações que somente agora estão se dando conta da realidade em que se encontram, percebem que precisa haver uma maior integração com seus funcionários, investir em treinamentos, criar aos funcionários condições propícias de trabalho, que os levem a se despertarem para uma nova era: a era da competitividade.

As Organizações que são orientadas por processos passam pela situação constante de aculturar as pessoas. As pessoas precisam se inserir nos processos de maneira uniforme e consistente.

Os processos englobam um conjunto de normas, procedimentos, padrões, ferramentas, crenças e demais aspectos do desenvolvimento humano que pessoas empregam para uma determinada finalidade.

Em um ambiente no qual a mudança é uma constante, as pessoas têm sido negativamente rotuladas como resistentes à mudança, porem as vezes isso é uma inverdade.

As pessoas são capazes de mudanças incríveis. A chave é a forma como a mudança é apresentada.

As pessoas podem receber bem a mudança se essa for introduzida de uma forma individualmente atraente e se adequar ao seu contexto de referência.

Pessoas odeiam e amam mudanças. Odeiam porque as obrigam a aprender, amam porque as permitem aprender. O ponto central da questão está na crença das pessoas. Significa que as pessoas primeiramente têm que mudar suas crenças para destrancar a porta e avançar para o futuro. E não se muda de crença instantaneamente, principalmente quando se manteve apoiado nelas ao longo de toda uma vida. Quando crenças são mudadas, cria-se um novo conjunto de valores, que levará a novas atitudes, permitindo a incorporação de novas habilidades e, finalmente, a formação de um novo arcabouço de conhecimentos.

Mas será que todas as organizações estão preparadas para motivar as pessoas?

 

Escrito por: 

Alessandra Silva

Consultora, Instrutora e Professora Mestre em Gestão por Processo (BPM)


Referências: 

SILVA, Alessandra de Oliveira. MOTIVAÇÃO HUMANA: Estratégia de Gestão, com vistas ao século XXI, representada em estudo de caso. São Paulo, 2000. Tese de mestrado em administração – Centro Universitário Ibero Americano, 2000.

ABPMP BPM CBOK™, V3.0. Guide to the Business Process Management Common Body of Knowledge. 2013.